Personagens

Tristão José de Fraga
O Coronel Tristão José de Fraga foi uma das importantes pessoas que marcaram a história de Viamão.
Tristão nasceu em 1º de março de 1816 e sua vida foi marcada pela grande participação nos movimentos governamentais de sua época. Dentre as diversas funções exercidas por Tristão podemos citar a de Alferes Cirurgião da 3ª batalhão da infantaria da guarda nacional, delegado de polícia, tenente coronel e comandante do corpo de cavalaria da guarda nacional.
Com a proclamação da república, o Coronel Tristão foi eleito 1º intendente municipal de Viamão, sendo o primeiro titular da administração municipal do novo regime. O Coronel Tristão desempenhou sua função com honestidade e acentuada responsabilidade administrativa, o que o levou a adquirir admiração e respeito de todos os viamonenses da época.
Além disso, Tristão foi o criador de duas lojas maçônicas viamonenses.

Serapião José Goulart
O maior proprietário de terra de Viamão.

Serapião José Goulart é uma das personalidades que faz parte da história deste Viamão lendário e está presente até hoje no imaginário da comunidade rural.
Nascido em Viamão, no dia 30 de outubro de 1855, o coronel Serapião foi membro da guarda Nacional e conselheiro por várias vezes. Foi ele, provavelmente, o maior e ao mesmo tempo o mais rico e temido proprietário rural do nosso município, sua propriedade totalizava uma área de 30 mil hectares.
Conta a lenda que ele teria nascido em Rio Grande e depois, devido ao seu envolvimento em um crime, teria fugido e se abrigado em uma fazenda mantida por Jesuítas, aqui nos campos de Viamão. O jovem Serapião fixou moradia por ali e depois da morte de todos os jesuítas, (alguns dizem que ele foi o responsável) tomou conta da fazenda.
Este místico estancieiro sempre fora conhecido pela sua personalidade forte. Homem sem hesitação, ele era direto e objetivo. Tinha o hábito diário de rondar sua propriedade, sempre acompanhado de um grupo de capangas e sua velha garrucha. O estancieiro tinha a ambição de aumentar cada vez mais a sua propriedade.
Segundo Crésio, bisneto de Serapião, (segunda foto acima) se algum proprietário não quisesse vender sua terra, Serapião mandava seus capangas assustarem o proprietário, através de assombrações, até ele ficar com medo e querer vendê-la.
Serapião morreu em 1923, aos 68 anos, tendo deixado, até hoje, um legado de lendas e histórias. Conta-se que, muito tempo depois de sua morte, ainda era possível identificar, através das luzes no campo, o jipe de Serapião fazendo a ronda de suas terras. Arrastar de correntes, aparições na sede da velha estância da Boa Vista e as fogueiras no meio do campo são alguns dos fatos relatados pelos moradores mais antigos da região. Foi desta maneira que Serapião José Goulart fixou seu nome na história deste Viamão lendário.