Artes Plásticas - Clique Romanita Disconzi
Receber convites para participar de salões e bienais já se não é novidade para Romanita Disconzi.

Esta artista plástica que escolheu Viamão como refúgio para seu nobre ofício, já expôs seus trabalhos nos mais importantes eventos do mundo, sempre ganhando prêmios e reconhecimento pelo talento adquirido através de anos de vivência no mundo das artes.

Romanita foi diretora do Museu de Artes do Rio Grande do Sul (MARGS) de 95 a 97 e ainda transmite seu conhecimento, como professora e orientadora nos cursos de mestrado e doutorado em Artes Visuais no Instituto de Artes da UFRGS.

Romanita que já trabalhou com serigrafia, desenvolve trabalhos em Vídeo Arte e Performance desde 1979. No momento está trabalhando num projeto que alia tecnologias, descobertas e arte. Romanita capta o efêmero momento em que o “pixel” forma a imagem eletrônica. As pinceladas firmes retratam cada ponto da imagem televisiva.

“Num determinado momento a filosofia disse que a arte como instrumento de conhecimento, já tinha dado tudo o que podia, dali pra frente só a filosofia seria capaz de trabalhar como instrumento de conhecimento do espírito humano. Mas a arte dá uma resposta e recomeça a fazer um trabalho de contestação”, afirma Romanita. A trajetória contemporânea é retratada com sensibilidade e talento, mostrando de maneira universal e cosmopolita a imagem ainda gravada na retina destes tempos de mídia global num mundo de heróis e mitos.

O contraste de cada pincelada mostra a alegria das cores. A luz e o detalhe da imagem em “big-closed” desvendam uma estética que só pode ser traduzida pela genialidade de uma artista com mais de 40 anos vivendo no mundo mágico das tintas e dos pincéis. O resultado é surpreendente!

Texto: Eduardo Escobar
Matéria publicada na Revista Viamão em setembro de 2005.